20 de outubro de 2017 • segurança

Como proteger os dados da minha empresa?

Vários tipos de ameaça podem estar rondando o seu computador (ou smartphone) neste exato momento. 

 

O PERIGO MORA EM CASA!
Levantamento com 1.275 executivos de todo o mundo, realizado pela consultoria Kroll, em parceria com a The Economist Intelligence Unit, aponta que 75% das empresas registraram algum tipo de violação de segurança em 2011. Houve queda de 13 pontos percentuais em relação a 2010. Mas um dado preocupante é que 60% dos entrevistados identificaram que o ataque veio de um funcionário ou fornecedor. Do total, 25% relataram roubos de ativos físicos e 23% detectaram o sumiço de informações. Os consultores recomendam uma política clara para definir quem deve ter acesso a dados estratégicos.

Especializada no desenvolvimento de sistemas de gestão empresarial, o ERP, a empresa paulista Deak Sistemas conviveu por anos com situações como a de programadores que desapareciam com informações estratégicas de códigos-fonte. “Já tive funcionário que saiu daqui levando complementos do nosso software. Ele sai, monta uma empresa e começa a prestar o mesmo serviço, como concorrente”, diz Alfredo Deak, sócio da empresa.  A situação o levou a rever os procedimentos. Desde 2005, Deak passou a fazer um bloqueio rigoroso contra ameaças e restringiu o acesso à internet. “Antes, não tínhamos qualquer controle ou proteção em relação aos programas desenvolvidos.”

A gestão interna da segurança virou uma preocupação central para a ZipCode, que faturou R$ 13,5 milhões em 2011. Com atuação focada nas áreas de marketing direto, crédito e cobrança, a empresa administra uma base de dados que supera os 2,5 terabytes, com informações de milhares de consumidores brasileiros. Proteger esses dados é vital para a sobrevivência do negócio — uma cláusula de confidencialidade no contrato obriga a ZipCode a se resguardar contra potenciais vazamentos e roubo de informações. Elas estão armazenadas em um datacenter localizado fora da sede da empresa.

A política de segurança criada pela empresa mira, principalmente, os colaboradores internos. “Os computadores não permitem a gravação de CD ou DVD ou a leitura de pen drives, impedindo que funcionários copiem informações”, diz Karla Ynonye, gerente de TI da ZipCode. Se alguém roubar o HD e ligá-lo em outra máquina, não conseguirá fazer a leitura — os arquivos são criptografados. Além disso, o acesso a e-mail pessoal e às redes sociais é bloqueado. “No momento da contratação, explicamos os princípios da empresa e as razões dessas medidas. Todos assinam um termo de confidencialidade.”

FIQUE DE OLHO
AS REGRAS DA CASA >> Adote um código de ética, explicando aos funcionários as melhores práticas e a importância de proteger os dados.
ACESSO RESTRITO >> Os funcionários devem manejar apenas os dados necessários para seu trabalho.
ERA UMA VEZ UM FACEBOOK >> A regra é polêmica, mas a limitação de acesso às redes sociais é uma medida eficaz de prevenção.

 

 

SOBRE A TRUSTON – SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

Fundada em 2000, a Datacom, que agora é Truston, nasceu com o propósito de fornecer soluções de última geração para ambientes corporativos de tecnologia da informação. Nossa visão é investir no diagnóstico preciso das organizações e consolidar projetos inovadores que privilegiem a racionalidade dos investimentos em tecnologia e o pleno desenvolvimento dos negócios.

Hoje somos referência no mercado tecnologia da informação e temos soluções completas e eficientes para segurança de dados da sua empresa contra hachers e vírus, como o  RANSOMWARE. Acesse www.truston.com.br, conheça todos os nossos serviços e solicite a visita de um de nossos consultores.

Receba tudo no seu email! Prometemos não enviar spam!

Confira também

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *